segunda-feira, 26 de outubro de 2015

COIED dia 9 - “Era uma vez…”, relato escrito a várias mãos




Adorei este relato ... saliento esta parte

Caro(a) Fernanda Ledesma,

COIED dia 9 - “Era uma vez…”, relato escrito a várias mãos.

As palavras de Gláucia Lemos, no seu livro “As aventuras do marujo verde”, chegaram ao chat da COIED conduzidas pelas mãos de dois participantes da conferência. E porque não alterarmos o desenrolar da história? “Pode sair daqui o relato de hoje” e “faz-se já a síntese”, desafiou a comissão organizadora. A síntese não se fez no fim desse dia, mas saiu qualquer coisa nos dias seguintes…

“Era uma vez um papagaio que vivia preso a um barco e a um dono beberrão e solitário. Vivia entre paredes, viajando pelo mundo sem do mundo nada conhecer. Até que um dia... se deu um desastre, o seu lar afundou-se e desapareceu o ombro onde pousava.” (As aventuras do marujo verde).

“Então, surgiu uma luz que deu uma nova vida ao papagaio. No Kodu encontrou um novo lar...
… O papagaio “decidiu regressar antes de "furarem" a ilha!...”

Kodu?! O que é isso? Poderão perguntar alguns. Fernanda Ledesma tinha acabado de fazer viajar os presentes até à “programação em Kodu como instrumento de aprendizagem”. Seria justo excluirmos o nosso papagaio? Claro que era preciso levá-lo a descobrir esse maravilhoso mundo da criatividade. Com esta linguagem de programação visual pretende-se que o aluno deixe de ser mero consumidor para se transformar em criador/produtor. É preciso não esquecer que, mais importante do que falarmos sobre TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação) interessa que passemos às TAC (Tecnologias da Aprendizagem e do Conhecimento). E que tal darmos uma espreitadela pelo workshop da Fernanda Ledesma (http://pt.slideshare.net/…/programao-em-kodu-como-instrumen…) e aprendermos a trabalhar com o Kodu Game Lab?
a minha apresentação