sábado, 11 de janeiro de 2014

Carta de Amor Informático

CARTA DE AMOR INFORMÁTICO

Penetraste no meu coração
Como um vírus no meu computador

Vindo de lado nenhum
Ofereces-me agora
O vazio da não opção

Estragaste-me o real
Obrigaste-me a reinventá-lo:
Para quê?

Agora estás
No meu cemitério de textos
Já não te posso reencaminhar

Arquivei-te no lixo da memória
Do meu Pentium IV
Que aliás, já vendi

Troquei-o por um lap top
Mais leve
Mais portátil
Mais facilmente descartável

Ana Hatherly