domingo, 17 de fevereiro de 2013

O Twitter e o "Post it amarelo"


EU, a pessoa; EU, a profissional caí na rede. Por isso vou imaginar que me deitei no tal divã do psicólogo, fechar os olhos  e… tentar definir o que é para mim o twitter.

Gosto de fazer esta comparação - Hoje, a “rede” é um grande palco ao qual é fácil chegar, mas no qual é preciso saber ser e estar, pois a rede reflete todos os valores advindos daqueles que a construíram, dos que a usam e a modificam.

Compararia o twitter a um “post it note amarelo", no qual podemos escrever pouco, mas que usamos para deixar um recado, fazer lembretes, colocar uma ideia.

Quantas vezes dessa ideia, escrita em poucas palavras, num “post it amarelo” surgiram bons e valiosos projetos?
Muitas, assim é o twitter, escrevemos pouco, mas chega a muitos. Temos de ser breves, ser originais, usar palavras-chave/certas para a nossa audiência entender.

A rede na qual me centro mais é o facebook. O Twitter alimento-o/rentabilizo-o (re)publicando dos restantes sítios que tenho na web.
  • Se publicar no blogue, com o shareaholic, cada mensagem/post (re)publica para o twitter, facebook, linkedin e google +.
  • Se estiver a fazer curadoria no scoop it, em cada novo scoop, também replica para o facebook, twitter e linkedin.
  • O facebook está ligado ao twitter.
As vantagens, a meu ver, são as redes que se criam e que em alguns casos se tornam efetivas, na partilha e na colaboração. 
Para as bibliotecas poderem divulgar as suas atividades para lá dos muros é muito bom. Afirmaria ainda, que o retorno da rede no meu percurso profissional, no âmbito de convites de participações, comunicações, equipas de investigação tem sido profícuo, mas são certamente consequências da minha “representação” na rede, enquanto "Eu, pessoa, Eu profissional ( a professora, a bibliotecária, a investigadora, a comunicadora e a especialista nas TIC)".
Ligar os computadores é um trabalho.
Ligar pessoas é uma arte.
Eckart Wintzen